BIBLIOGRAFIA

Abrantes, P.; Leal, T. & Caeiro, T. (2009). Combate ao Insucesso Escolar em Três Territórios Educativos de Intervenção Prioritária. Relatório Final, Setúbal, Escola Superior de Educação do IPS.

•Alaiz, V.; Góis, E. & Gonçalves, C. (2003). Auto-avaliação de Escolas. Porto: Edições ASA.

•Alonso, L. (2000). Ensino Básico e Integração Educativa nos TEIP. In AAVV, Territórios Educativos de Intervenção Prioritária, Lisboa, IIE/ME, pp. 197-205.

•Barroso, J. (1997). Da exclusão escolar dos alunos à inclusão social da escola: que sentido para a territorialização das políticas educativas? In Actas do Fórum Contra a Exclusão Escolar, Lisboa, Ministério da Educação/PEPT.

•Benabou, R.; Kramarz, F. & Prost, C. (2004). Zones d' education prioritaire: quels moyens pour quels résultats? Une évaluation sur la période 1982-1992. In Économie et Statistique, n.º 380, p. 3-34.

•Bettencourt, A. & Sousa, M. (2000). O Conceito de Ensino Básico e as Práticas de Integração Educativa. In AAVV, Territórios Educativos de Intervenção Prioritária, Lisboa, IIE/ME, pp. 13-44.

• Canário, R.; Alves, N. & Rolo, C. (2000). Territórios Educativos de Intervenção Prioritária: Entre a “igualdade de oportunidades” e a “luta contra a exclusão social”. In AAVV, Territórios Educativos de Intervenção Prioritária, Lisboa, IIE/ME, pp. 139-170.

•Canário, R. (2009). Territórios educativos e políticas de intervenção prioritária: uma análise crítica. Perspectiva, Florianópolis, 22 (1), pp. 47-78.

· Castelloti, V.; Moore, D. (2010). L’integration linguistique et éducative des enfants et adolescents issues de l’immigration: valoriser, mobiliser e développer les répertoires plurilingues et pluriculturels pour une meilleure intégration scolaire. Strasbourg: Conseil de l’Europe, Division des Politiques Linguistiques, 40 p.; 21 cm.

•Doherty, J.; MacBeath, J.; Jardine, S.; Smith, I. & McCall, J. (2001). Do School Needs Critical Friends? In J. MacBeath & P. Mortimore (Eds.), Improving School Effectiveness (pp. 138-151). Buckingam: Open University Press.

•Fialho, A. M.; Rodrigues, C. M. & Ferreira, J. M. (2002). Viver a Avaliação de Escola. Memória de uma Experiência. Lisboa: Plátano.

· Foster, P. (1990). Policy and practice in multicultural and anti-racist education.London: Routledge.

· Freinet, C. (2004). A Pedagogia do Bom Senso. São Paulo: Editora Martins Fontes.

· Freire, P. (1996). Pedagogia da Autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra.

•Guerra, I. (2003). O território como espaço de acção colectiva: paradoxos e virtualidades do jogo estratégico de atores no planeamento territorial em Portugal. In Boaventura Sousa Santos (org.), Democratizar a Democracia: Os Caminhos da Democracia Participativa. Porto, Afrontamento.

•Leite, C. (2000). A figura do ‘amigo crítico’ no assessoramento /desenvolvimento de escolas curricularmente inteligentes. Paper presented at the O Particular e o Global no Virar do Milénio: Cruzar Saberes em Educação.

·  Lemos, J.; Silveira, T. (1999)  Autonomia e gestão das escolas: legislação anotada. Porto: Porto Editora, 1999, 464 p.; 21 cm.

·  Lenz, P; Berthele, R. (2010). Guide pour le développement et la mise en oeuvre de curriculums pour une éducation plurilingue et interculturelle: prise en compte des compétences plurilingue et interculturelle dans l’évaluation . Strasbourg: Conseil de l’Europe, Division des Politiques Linguistiques, 2010, 64 p.; 21 cm.

· Tomlinson, Carol Ann (2008). Diferenciação Pedagógica e Diversidade. Ensino de Alunos em Turmas com Diferentes Níveis de Capacidades. Porto: Porto Editora.

•MacBeath, J.; Meuret, D.; Schratz, M. & Jakobsen, L. B. (2005). A História de Serena.    Viajando Rumo a uma Escola Melhor. Porto: Edições ASA.

Marie-Amélie Doring Serre (2013). Schools Call for Improvement through Strong Leadership

•Palma, J. B. (1999). Introdução ao Projecto Qualidade XXI. Lisboa: Instituto de      Inovação Educacional.

·  Perrenoud, P. (1997). Pedagogia diferenciada. Das intenções à acção. Porto Alegre: Editora Artes Médicas Sul Ltda.

·  Pinto, J. (2007). Individualização e diferenciação: Duas gestualidades para lidar com a diferença. In J.

·  Prezesmycki, H. (1991). Pédagogie différenciée. Paros: Hachette

·  Rodrigues, D. (Org.) (2001). Educação e diferença. Valores e práticas para uma educação inclusiva. Porto: Porto Editora.

· Rodrigues, D. (Org.) (2003). Perspetivas sobre a inclusão. Da educação à sociedade. Porto: Porto Editora.

•Sarmento, M.; Parente, C.; Matos, P. & Silva, O. (2000). A Edificação dos TEIP como Sistema de Acção Educativa Concreta. In AAVV, Territórios Educativos de Intervenção Prioritária, Lisboa, IIE/ME, pp. 105-138.

• Seabra, T. (1998). As Estratégias Educativas das Famílias, Lisboa, IIE.

· Tomlinson, Carol Ann (2008). Diferenciação Pedagógica e Diversidade. Ensino de Alunos em Turmas com Diferentes Níveis de Capacidades. Porto: Porto Editora.

Mestrados- Relatórios/ Trabalhos de Projetos

· Andrade, M. I. M. Auto-avaliação: um dispositivo de conhecimento ao serviço da melhoria da escola: a participação dos atores-chave da comunidade educativa. Lisboa (2011). Trabalho de Projeto [no] Ciclo de Estudos Conducente ao Grau de Mestre,Ciências da Educação, área de especialização em Administração Educacional, Instituto de Educação da Universidade de Lisboa.

· Amorim, L. A. Práticas de modernização administrativa: relação entre formação e avaliação. Lisboa: Instituto de Educação da Universidade de Lisboa, 2011. Relatório de Estágio [no] Ciclo de Estudos Conducente ao Grau de Mestre, Ciências da Educação, área de especialização em Avaliação em Educação.

· Matos, F. A. Dinamizadores comunitários e a sua dimensão intercultural. Lisboa: Instituto de Educação da Universidade de Lisboa,2011. Relatório de Estágio [no] Ciclo de Estudos Conducente ao Grau de Mestre, Ciências da Educação, área de especialização em Educação Intercultural.

·  Rodrigues, M. V. Educação pela arte como área de intervenção para a integração de jovens e adultos em risco de exclusão social. Lisboa: Instituto de Educação da Universidade de Lisboa, 2010. Trabalho de Projecto [no] Ciclo de Estudos Conducente ao Grau de Mestre, Ciências da Educação, área de especialização em Formação de Adultos.

Sem comentários:

Publicar um comentário